Sábado, 06 de junho de 2020   -     13:49 |

Wellington Dias reforça dicas de proteção com os idosos

A Covid-19, doença causada pelo vírus Sars-CoV-2, exige atenção para o grupo de risco, por isso as medidas preventivas adotadas pelo Governo do Estado objetivam proteger a todos, em especial os idosos, que fazem parte desse grupo de risco. O governador Wellington Dias destacou os cuidados necessários com as pessoas com mais de 60 anos.

De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde, 81% dos casos de Covid-19 apresentam sintomas leves, como tosse e coriza, 14% dos infectados apresentam sintomas graves e 5% evoluem para um quadro crítico, que podem levar à morte. As estatísticas apontam que a maior parte dos óbitos ocorrem em pessoas consideradas integrantes do grupo de risco: idosos; pessoas com doenças respiratórias, como asma e bronquite; fumantes; diabéticos; hipertensos; e pacientes com HIV.         

O chefe do Executivo estadual ressaltou que os cuidados devem ser redobrados para que as pessoas não levem o vírus para dentro de casa. “A nossa preocupação é com todos os piauienses, mas temos que ter um cuidado especial com as pessoas do grupo de risco maior, são as pessoas com mais de 60 anos, que possuem diabetes, hipertensão, ou seja, problemas que as colocam em risco maior se contrair a doença. Então, é importante que essas pessoas não saiam de casa e que os familiares também tomem o cuidado para não levar a contaminação da rua para dentro de casa”, afirmou o governador.

Wellington observa que é importante que essas pessoas evitem sair de casa. “Caso haja a necessidade de ir à farmácia, ao supermercado, banco, enfim, dar preferência pelas pessoas mais jovens e ao retornar, tomar os cuidados com o que é trazido de fora e assim preservar a vida das pessoas queridas que são do grupo de risco. É isso que queremos evitar, por isso o ideal é permanecer no isolamento social, em casa”, frisou Dias.                                                                                                                                                                

* Com informações da CCOM

Dê sua opinião: