Segunda, 24 de fevereiro de 2020   -     04:57 |
5000onon

Governador Wellington Dias fortalece parceria com Movimento dos Trabalhadores Sem Terra

O governador Wellington Dias se reuniu, nesta sexta-feira (17), no Palácio de Karnak, com representantes da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). O encontro teve como objetivo fortalecer o diálogo do movimento com o governo do estado, bem como discutir acerca das políticas públicas para a agricultura familiar, regularização fundiária e programas de alfabetização no campo.

“Viemos dialogar com o governador Wellington e, assim, fortalecer as políticas públicas para a produção de alimento saudável voltado à população do estado do Piauí. Trouxemos algumas ideias do ponto de vista da regularização fundiária para que possamos avançar no quesito da terra para os agricultores e, ao mesmo tempo, um programa de assistência técnica de atenção às comunidades rurais, que elas possam se desenvolver e fazer um grande projeto de desenvolvimento rural e que a população tenha acesso a um alimento de baixo custo e o estado possa gerar emprego e renda no campo”, comentou Alexandre Conceição, membro da direção da Coordenação Nacional do MST.

Alexandre afirmou que o Piauí está avançando com êxito no diz respeito à regularização fundiária. “Aqui no Piauí, diferente de outros estados, temos conseguido avançar um pouco na regularização fundiária. Então, estamos com uma expectativa muito boa que a gente possa de fato, por meio da ação do Governo do Estado fortalecer a agricultura familiar, que possa avançar na regularização fundiária, na produção de alimentos, na educação básica no campo, mas também na área da cultura”, disse.

O coordenador do setor de produção do MST, Milton Fornazieri, reiterou a parceria do MST com o governo do Piauí. “Nós já estamos há bastante tempo em diálogo com o governador e a perspectiva é de que a pauta que apresentamos hoje com certeza seja alcançada: desenvolver a agricultura familiar, os assentamentos da reforma agrária. O MST, tanto em nível nacional, como aqui no Piauí, é um grande parceiro do Governo. Achamos que as propostas apresentados aqui vão de encontro com os interesses de desenvolvimento do próprio governador e o grande beneficiário são os assentados aqui do estado como um todo, principalmente de propostas inovadoras que casam com a pauta do governo”, frisou o coordenador.

De acordo com Fornazieri, as principais propostas discutidas na reunião foram: o desenvolvimento das cadeias produtivas de forma integrada no campo da produção de caprino e ovinocultura; na produção de fruticultura irrigada, principalmente na região de São João do Piauí e próximo a Teresina; e na produção de arroz em assentamentos no norte do estado, aproveitando o potencial hídrico e das terras com qualidade da produção irrigada. “São esses os projetos principais e, é claro, que também trabalhamos dentro do processo de formação e de educação, como a nossa campanha para diminuir o analfabetismo”, pontou.

O chefe do executivo estadual comemora o sucesso dos diálogos. “Acertamos uma pauta muito boa nas áreas de criação de caprinos, ovinos e aves; relacionada à produção do arroz, que há uma necessidade de revitalizar; produção com pequenos agricultores nessa área de grãos, soja, milho e não-transgênicos. Eles aceitaram ainda o desafio dessa nova área de oleaginosas como o cártamo, que é uma novidade para essa área do biodiesel”, disse Wellington.

O governador destacou ainda a parceria com o MST para avançar na alfabetização, assim como na preservação ambiental. “Tratamos de duas áreas importantes: uma é o programa de alfabetização, ou seja, temos muitas pessoas no campo analfabetas ou com baixa escolaridade e as entidades estão dispostas a nos ajudar a trabalhar para, propuseram aqui, inclusive, trabalhar a alfabetização com 12 mil pessoas até 2022; a outra preocupação é ambiental, pois temos uma meta nacional do plantio de 100 milhões de plantas para o Brasil e nós vamos estabelecer aqui uma meta para o Piauí, garantindo as condições de contribuir para a redução dos efeitos das mudanças climática”, afirmou.


* Com informações da CCOM/PI

Dê sua opinião: