Terça, 15 de outubro de 2019   -     14:22 |
5000onon

Bolsonaro proíbe radares móveis a partir da próxima segunda

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse durante entrevista, nesta quarta-feira (14), em Parnaíba, que suspendeu a instalação de oito mil radares móveis nas rodovias brasileiras. Bolsonaro também quer suspender os radares fixos, mas afirmou que está enfrentando um “problema na Justiça”.

“Nessa segunda-feira estão proibidos os [radares] móveis. Os fixos tive um problema na Justiça. Tenho meu respeito à Justiça, mas não consigo entender. Se quiserem colocar mais 8 mil pardais no Brasil vai custar 1 bilhão de reais para o povo. Para colocar assaltantes na pista para assaltar vocês. Temos uma batalha pela frente”, afirmou.

 Foto: Marcelo Cardoso/GP1

Polêmica

A polêmica com a instalação e manutenção de radares no país começou em abril deste ano, quando o Ministério da Infraestrutura suspendeu a instalação de aparelhos que monitorariam 8 mil faixas em rodovias federais não concedidas à iniciativa privada após ordem do presidente Jair Bolsonaro.

No entanto, dez dias depois, a juíza Diana Wanderlei, da 5ª Vara Federal em Brasília, determinou que a União não poderia retirar radares eletrônicos, e que os contratos com concessionárias para fornecer aparelhos que estavam prestes a vencer fossem renovados.

Visita

Após desembarcar no aeroporto, Bolsonaro seguiu para um helicóptero para sobrevoar os Tabuleiros Litorâneos na companhia do prefeito Mão Santa e do superintendente da secretaria municipal de Agricultura, Ismael Abreu. Logo depois, ele retornou para o aeroporto onde discursou, participou de uma solenidade cívica pelos 175 anos de emancipação política de Parnaíba e recebeu o título de cidadania parnaibana.

Por volta das 11h, Bolsonaro participou da inauguração da Escola que provisoriamente foi chamada de Tenente Coronel José Francisco Miranda de Osório, localizada na Avenida Presidente Getúlio Vargas 963, no Centro. Logo após esse evento, o presidente deixou Parnaíba.

* Com informações do Gp1

Dê sua opinião: