Quarta, 16 de outubro de 2019   -     05:24 |
5000onon

Polícia prende duas pessoas suspeitas de extração ilegal de madeira no Piauí

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Polícia Civil prenderam duas pessoas suspeitas de extração ilegal de madeira na tarde dessa quarta-feira (25) em Morro Cabeça no Tempo, 714 km de Teresina, no Sul do Piauí. A PRF flagrou a extração ilegal a partir de imagens aéreas e mobilizou as equipes para realizar as prisões. Dois foram presos e um homem fugiu. 40 m³ de aroeira e três veículos foram apreendidos. 

 Foto: Divulgação/PRF

Segundo a polícia, a ação criminosa foi vista pela aeronave da PRF. As duas pessoas presas estavam sem identificação e vão responder por crime ambiental. Um outro homem fugiu ao avistar os policiais. Em depoimento, os detidos informaram que o fugitivo era proprietário dos caminhões que estavam sendo carregados no momento do flagrante. Os agentes continuam em diligência para localizar o homem.

 Foto: Divulgação PRF

“Nós chegamos ao local e avistamos dois caminhões que estavam sendo carregados com a madeira. Prendemos duas pessoas que estavam carregando os veículos. O suposto dono dos caminhões e de um outro veículo apreendido conseguiu fugir a pé”, contou Stênio Pires, superintendente da PRF.

Apesar da área não ser pertencente a uma reserva florestal, a extração da aroeira é proibida por decreto estadual. A madeira vai ser encaminhada para a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semar.Foto: Divulgação/PRF

“A aroeira é uma madeira nobre de alto valor comercial usado na fabricação de móveis de alto padrão. Geralmente, os mercados consumidores desse tipo de madeira são as regiões Sul e Sudeste do País. Essa aroeira extraída deve ser doada para entidades civis do estado, que devem fazer um bom uso dessa madeira”, contou o superintendente.

Toda a carga de madeira juntamente com veículos e as pessoas detidas estão à disposição da Polícia Civil e da Semar para os procedimentos cabíveis e os encaminhamentos devidos.   

* Com informações do G1 PI

Dê sua opinião: