Sexta, 21 de fevereiro de 2020   -     11:31 |
5000onon

Coluna Coluna Feitosa Costa

Como Ciro se prepara para embate com Wellington Dias? Ouça o áudio

Os últimos movimentos do senador Ciro Nogueira (PP), aí incluída a sua ex-mulher, a deputada federal Iracema Portella, indicam um caminho claro do grupo que ele comanda no Estado do Piauí: O Palácio de Karnak. 

A estratégia está desenhada. A estrutura montada por Ciro Nogueira, presidente do Progressista, é indiscutivelmente muito grande. 

Ele tem a maioria dos prefeitos do Estado do Piauí, e planeja eleger um número maior para consolidar, por meio desse sistema, a sua vitória em 2024. 

Preste atenção que a pompa utilizada para noticiar, sempre que um novo prefeito adere ao grupo de Ciro, indica uma estratégia de mandar recado para o governador Wellington Dias (PT), que é: Ou você vem ou vamos passar por cima do seu esquema.

Clique abaixo e ouça o comentário do Jornalista Feitosa Costa: 

EXCLUSIVAS

Descartou

De forma bem educada, Lula descartou apoiar candidatura de Flávio Dino nas eleições presidenciais de 2022. 

O maranhense, crítico ferrenho de Sergio Moro e Bolsonaro, andava muito pomposo, sonhando com o apoio do PT.

Negado

Lula negou a existência de algum convite para Flávio Dino se filiar ao Partido dos Trabalhadores como estratégia para as eleições.

Resumindo: Sem apoio para campanha de presidente. 

Demitido pela imprensa

Parte da imprensa descompromissada do Brasil não cansa de tentar plantar uma bomba relógio dentro do governo.

O interesse desses grupos de causar a demissão de Sergio Moro já tem tirado a nação do sério.

O PT no interior


O governador Wellington Dias dividiu tarefas para deputados de sua base no interior do Estado. 

Cada um tem a missão de cuidar das eleições municipais em territórios estratégicos. 

Massacre em Teresina

A passagem de ônibus coletivo pode ficar no valor de R$ 4 22 (quatro reais e vinte e dois centavos) a partir do próximo mês. 

É um verdadeiro massacre da classe trabalhadora na capital. 

Entre tapas e beijos

Wellington Dias defende projeto de Ciro Nogueira para legalizar jogos de azar, diz O Antagonista.

Como é?

O governador Wellington Dias (PT), quem o ex-presidente Lula mandou se afastar de Ciro, falou que defende a regulamentação “do que já existe”, especialmente jogos eletrônicos.

“Que seja tributado, pois hoje é livre de tributação. Clandestinamente no Brasil ou legalmente em outros países, estima-se que os brasileiros movimentem cerca de 70 bilhões de reais por ano com esses jogos. Tributando a 30%, poderíamos gerar até 21 bilhões de reais por ano”.

O Antagonista

Em 2010, quando o Congresso tentava aprovar a legalização dos jogos de azar, o procurador da República Deltan Dallagnol escreveu um artigo em que foi categórico: a legalização dos bingos e dos jogos de caça-níquel no Brasil permitirá, de variadas formas, a lavagem de dinheiro e o vínculo frequente com outras modalidades de crimes.

Alerta

Dallagnol dizia que a fiscalização e comprovação dos abusos em casas de jogos “é praticamente impossível”.

“Características próprias da atividade permitem assegurar que se trata de um dos negócios de maior risco no tocante ao branqueamento de capitais”, escreveu.

Tsunami

Dallagnol afirmou, ainda, que “não há dúvidas de que a legalização dos bingos constitui um retrocesso nas políticas públicas de prevenção e repressão da lavagem de dinheiro no Brasil”.

“Ela abrirá um flanco para que criminosos lavem dinheiro sem que as autoridades responsáveis pela repressão sejam capazes, na grande maioria dos casos, de investigar e provar os crimes praticados”, acrescentou.

Boca fechada

Ibaneis Rocha, governador do Distrito Federal, calou-se nas últimas horas depois que criminosos que estavam presos na Penitenciária da Papuda escaparam, na madrugada de ontem, por um buraco aberto numa das celas.

O presídio é administrado pela Secretaria de Segurança do Distrito Federal, capitaneada pelo delegado Anderson Torres, o mesmo que tem criticado Sergio Moro e pressionado para ocupar o lugar de Maurício Valeixo na direção-geral da PF.


Dê sua opinião: