Sexta, 06 de dezembro de 2019   -     13:16 |
5000onon

População se revolta com comentários preconceituosos contra piauienses

Foto: Reprodução

Moradores do povoado de Macapá, localizado no município de Luís Correia, no litoral do Piauí, estão revoltados com um morador identificado como Patricio Chavez, de nacionalidade chilena. Segundo eles, o estrangeiro agiu de forma preconceituosa e xenófoba para com os nativos.

De acordo com relatos em um perfil no Facebook de um morador local, o chileno se posiciona contrário ao apoio dos moradores da comunidade em relação a um post que trata sobre a pré-candidatura a vereador de um representante local. No comentário, Patricio Chavez se refere ao líder comunitário como ‘mais um sanguessuga da Câmara Municipal’ e diz defender ‘a diminuição desses parasitas’.

 Foto: Reprodução

Após o comentário, vários moradores da comunidade passaram a debater com o chileno. Em um determinado momento, ele se refere aos moradores humildade do povoado como ‘moradores de um chiqueiro’. O chileno ainda comentou que os ‘piauienses são jumentos’. Logo em seguida alguns comentários foram apagados, mas os moradores acabaram realizando prints.

"Não preciso aprender português para falar com jumentos". "Estou falando com o dono do chiqueiro, o restante do refrão você já sabe", disse o chileno em resposta a uma moradora identificada como Ana Gabriela Teixeira.

Revoltados com a forma como foram tratados, os moradores locais procuraram outros moradores e estão buscando apoio para poderem expulsar o vizinho indesejado da comunidade. Ainda de acordo com os nativos, Patricio Chavez já teve seu nome ligado a duas mortes na região.

Uma delas foi quando uma criança acabou sendo atropelada e morta. A investigação nunca foi concluída e os moradores acusam o chileno de ser o proprietário do veículo que acabou atropelando a criança. A identidade da pessoa que estava dirigindo também não foi identificada.

A outra morte foi de um idoso que morreu ao tentar realizar uma ligação de energia clandestina para a residência de Patricio Chavez. A vítima não possuía qualificação para realizar o serviço, mas acabou sendo contratada de forma ilegal para realizar a ligação da energia do poste para a residência. Ele sofreu uma descarga elétrica e morreu no local.

"Seu trabalhador (funcionário) atropelou e matou uma criança próximo a caixa d'água no Macapá e fugiu. Era ele ou era você dirigindo? Porque você não está preso? Tá vendo como o Brasil é bom? Aceita gente como você!", comentou Francisco Valdeclede, morador local. "Quer saber da verdade desse acidente, pergunta o Adriano ou Toninho e para de falar bobagem, busca algo útil para te ocupar", respondeu Patricio Chavez.

Os dois casos foram esquecidos pela polícia, mas a comunidade tratou de relembrar nos comentários no Facebook.

Foto: Reprodução

Após o caso ganhar repercussão na comunidade e em toda a cidade de Luís Correia, o advogado Emanoel Pires, de Teresina, acabou sendo contratado para tomar conhecimento do assunto e ingressar com uma ação na justiça contra o chileno. Um dos possíveis crimes que o acusado poderá responder é por xenofobia.

A lei nº 9.459 incluiu no artigo 140 do Código Penal brasileiro, que discorre sobre o crime de injúria, um trecho que determina medidas punitivas contra crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. A pena é de três anos de reclusão e multa. Xenofobia é aversão ao que é de fora.  

“Não vamos aceitar esse tipo de tratamento de uma pessoa que sequer é daqui. Não tem respaldo com ninguém da comunidade e só vem tentar atacar nossa honra e acabar com nosso sossego. Desde quando essa pessoa veio residir aqui no Macapá as coisas passaram a desandar. Ocorreram duas mortes misteriosas e os casos não foram investigados da forma que deveriam. O que estamos fazendo é tentando mobilizar a comunidade para expulsarmos ele da região. Vamos ingressar com a ação na Justiça e vamos acionar também a Polícia Federal se for necessário, já que se trata de um estrangeiro”, comentou Adriano Rodrigues.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução 

Foto: Reprodução

Dê sua opinião: